Saturday, May 19, 2018

AFL- CIO - INCLUDE PUBLIC SCHOOLS IN INFRASTRUCTURE PLANS

e:Tom Trotter, AFL-CIO peoplepower@aflcio.org
responder a:peoplepower@aflcio.org
para:sccbesme.humanidade@gmail.com
data:18 de maio de 2018 17:51
assunto:Include public schools in infrastructure plans
enviado por:actionnetworkmail.aflcio.org
AFL-CIO


Paulo Augusto,
When most people think of infrastructure, things like bridges, roads, and power lines may immediately come to mind.  Our public school system is also a critical part of our nation’s infrastructure that desperately needs some attention. 
This week, as working people celebrate infrastructure week we can’t overlook the important role our schools play in the prosperity of our communities and the health of our workforce. There’s a bipartisan push in Congress urging this administration to ensure that any new infrastructure package includes significant investment in our public schools. This administration needs to know that working people are watching, and we support the renewed commitment to our public education system(*).
In both the House and Senate, Republican and Democrat members of Congress alike, have signed onto letters urging the President to invest in public school infrastructure. Trade union leaders have also spoken up in support. This is a great start. Now it's up to working people to take action and hold the administration accountable.
Parents, teachers, and students aren’t the only ones who should be concerned with the state of our school system. School facilities impact student and staff health, academic achievement, the environment and even property values. Most of all, our schools prepare the next generation of our workforce to tackle the challenges of tomorrow.
In solidarity,
Tom
Tom Trotter
Legislative Affairs Representative, AFL-CIO


AFL-CIO Facebook Twitter
Visit us at www.aflcio.org | Facebook | Twitter
Text WORK to AFLCIO (235246) to join our text action team. (Message and data rates may apply.)
Sent via ActionNetwork.org. To update your email address, change your name or address, or to stop receiving emails from AFL-CIO, please click here.

(*) NOTE: PUBLIC EDUCATION SYSTEM INVOLVES:

FEELINGS  EDUCATION AND

SCIENTIFIC  INSTRUCTION.

SANTA FE HIGH SCHOOL



To

Mr. Donald J. Trump
PRESIDENT of the United States of America
The White House
1600 – Pennsylvania  Ave. NW. 
Washington, DC 20.500
 Subject:  SANTA FE HIGH SCHOOL

    DEAR MR. PRESIDENT,

      Please see on Link below the comments,

   
     Without more for the moment, I wish you,

    Health, with Respect and Fraternity
           Paulo Augusto Lacaz
                 President
     SCCBESME HUMANITY





Friday, May 18, 2018

PRECISAMOS UMA INSURREIÇÃO?

Conan Doyle, criador de Sherlock Holmes, inicia o conto no qual narra a morte do detetive, como sempre nas palavras do Doutor Watson, com a esperada tristeza: “It is with a heavy heart that I take up my pen to write” (The final problem, nas Memórias de Sherlock Holmes).

Também é com este mesmo sentimento, “um coração pesado”, que me coloco diante do computador (a pena contemporânea) para lamentar o Brasil dirigido por pessoas inescrupulosas, corruptas, inimigas da nacionalidade brasileira, que destroem o País desde 2016.

E não me prenderei aos ocupantes dos cargos eletivos, aos que formam a quase totalidade legislativa, nem aos empoderados sem voto do poder judiciário e do ministério público, nem mesmo destes fantasmas ambulantes do executivo. Vou tratar das Forças Armadas nacionais (FFAA) e dos que se denominam empresários e se congregam em entidades como FIESP, FIRJAN, CNC, CNI e congêneres.

Começo transcrevendo a tabela que o ex-ministro de governos militares, ex-deputado do industrializado Estado de São Paulo, Antonio Delfim Netto, ilustra seu artigo, “O mau humor do Brasil”, na Carta Capital ano XXIII, nº 999, de 18 de abril de 2018.

downloadAttachment&Message%5Buid%5D=256205&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253CRO1P152MB04094F3ECBC0E5CA9214849FBD900%2540RO1P152MB0409.LAMP152.PROD.OUTLOOK.COM%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3CRO1P152MB04094F3ECBC0E5CA9214849FBD900%40RO1P152MB0409.LAMP152.PROD.OUTLOOK.COM%3E-1.2


Os indicadores, confrontando os períodos idênticos dos governos FHC e Lula, mostram claramente a melhora do Brasil após os mandatos de Lula. Mostram também a dificuldade de governar de Dilma, com um Congresso majoritariamente oposicionistas e com sucessivos petardos contra sua administração. É impossível avaliar um governo que, a todo instante, recebia nova lei impondo uma aberração econômica, uma restrição de investimento, uma injustificável elevação de custo.

Os militares, após a denúncia ou vazamento da antiga aliada Agência Central de Informações (CIA), órgão de espionagem e de golpes dos Estados Unidos da América (EUA), devem estar sentindo o que é traição. Dilma também a sentiu com as ações dos parlamentares e ministros do apequenado supremo tribunal federal (STF).

Mas o pior estará por vir, caso o sistema financeiro, que denomino banca, tiver êxito em seus ardis eleitorais deste ano.

Se tivemos nos períodos Collor e FHC o desmonte da Nação – então em processo de reindustrialização, a partir de Costa e Silva até Geisel, após o desmonte de Castello Branco – Temer, Rodrigo Maia, Eunício Oliveira, os senadores e deputados do PSDB, do PP, do DEM, do PTB, dos partidos evangélicos e a maioria absoluta dos ministros do Supremo Tribunal Federal só atuam, desde o golpe de 2016, para riscar do mapa o Estado brasileiro. Transformar a República numa colônia dos interesses do capital financeiro internacional, que abrevio por “banca”.

No mesmo citado exemplar da Carta Capital, o artigo de Carlos Drummond – “Leva que é de graça” – leva-nos, na verdade, às lágrimas. Após os esforços de Getúlio Vargas, dos militares de Costa e Silva a Geisel, de Lula, de empresários como Roberto Simonsen, José Mindlin, Abraham Kasinski, Mario Milani, Emílio Odebrecht e muitos outros, o Brasil volta a ser um exportador de matérias primas para o lucro da banca, diretamente ou por suas empresas industriais. Em outras palavras, volta à República Velha, ao Império, quando, formalmente independentes, o País era colônia de banqueiros.

E as Forças Armadas?

Sua atuação nem sempre foi na defesa da Nação, mas, com frequência dos poderosos de nossa Terra. Ora caçando escravos, ora sufocando movimentos libertários ou de ideais políticos republicanos. O próprio patrono do Exército Brasileiro esteve envolvido na Balaiada, nos movimentos liberais de Padre Feijó, em São Paulo, e de Teófilo Ottoni, em Minas Gerais.

Temo – porque não foi esta Força Armada que aprendi, com meus parentes mais próximos, militares, pessoas probas e dignas, e nos contatos profissionais e pessoais a respeitar e admirar – vê-la na função de segurança das instalações de estrangeiros, no Brasil, a que foi reduzido o exército iraquiano, após a agressão, pela farsa das armas químicas, pelas potências estrangeiras. E que agora, pelas mesmas falsas razões, atacam a população da Síria.

É-me quase inacreditável ler manifestos militares pedindo a prisão de Lula, cuja corrupção ainda está por ser provada, diferentemente daquela de FHC, Aécio Neves, José Serra, Temer e tantos outros golpistas, enquanto se calam com a entrega da riqueza que não pode ser reposta do pré-sal, dos minérios, dos aquíferos e das conquistas, muitas oriundas dos próprios governos militares, como a Base de Lançamento de Foguetes em Alcântara, no Maranhão, a terceira maior empresa fabricante de aviões, a Embraer, a capacitação tecnológica na área nuclear, levando à prisão um de seus oficiais generais nacionalista, e tantos outros desmontes do Brasil.

A quem defendem estas FFAA?

 Aos interesses estrangeiros no lugar dos brasileiros?

 Que doutrinação ideológica foram submetidos para desconfiarem dos brasileiros e acreditarem nas farsas e fraudes montadas pelo interesse estrangeiro? Da banca?

Terá o povo que se revoltar, se insurgir? 

E de que lado estarão as FFAA? Da banca ou do Brasil, de seu povo?

Veja o caso da corrupção. 

Não cabe em um artigo o que está em livros, em testemunhos pessoais de corruptores e corrompidos. Na minha vida profissional conheci a corrupção de canadenses, franceses e estadunidenses, nos poucos anos que trabalhei no exterior. 

O que foi alardeado como um escândalo, motivado para destruição das empresas de engenharia brasileiras, ocorre no dia a dia dos contratos internacionais, envolvendo empresas holandesas, inglesas, francesas, espanholas e, obviamente, as estadunidenses.

Apenas um ou outro evento chega à imprensa, quase inteiramente dominada pelos mesmos interesses. Mas, certamente, meus caros leitores lembrarão dos que envolveram a realeza europeia, na Holanda, na Espanha e na Inglaterra. 

Uma insignificante ponta do iceberg.

A corrupção, praticada pela banca em todo mundo e aqui no Brasil, não é investigada nem denunciada.

Não lhes parece estranho, no mínimo para desconfiar, que tanta corrupção não tivesse envolvido um único banco, onde necessariamente passou o dinheiro da corrupção?

 Ou que não estivesse uma única empresa estrangeira envolvida, mesmo quando sócia ou parceira da condenada empresa brasileira?

Esta cegueira das FFAA depõe contra suas finalidades de defesa do Brasil e de seu povo.

Pedro Augusto Pinho, avô, administrador aposentado.
pedroaugustopinho@hotmail.com

Sunday, May 13, 2018

DIVERSOS AO EXÉRCITO BRASILEIRO

TUDO É POSSÍVEL SER FORJADO! 

ESTAMOS NA ÉPOCA DAS ELEIÇÕES. VALE TUDO! AS MENTIRAS IMPERAM NESTA ÉPOCA. ESTE PROFESSOR PESQUISADOR É DA FGV - A FGV REPRESENTA OS INTERESSES DOS USA ATRAVÉS DO CFR - MAS INFELIZMENTE OS MILITARES BRASILEIROS RESPONSÁVEIS PELO GOLPE DE 1964 ESCUTAVAM MUITO A CIA. ATÉ HOJE ESCUTAM MUITO. TIVERAM O TROCO AGORA! . O DESEJO É DESMORALIZAR O EXERCITO BRASILEIRO PERANTE A OPINIÃO PÚBLICA, DE FORMA TAL QUE DESMONTE A CANDIDATURA DE JAIR BOLSONARO, O QUE É VÁLIDO, MAS NÃO É COM ISSO, QUE SEJA VERDADEIRA A CONDUTA DITA NEFASTA DO PRESIDENTE GEISEL. . NÃO DÁ PARA ENTENDER QUE SENDO A CIA QUE MAIS FAZ E FEZ FOI TORTURAR E MATAR OS DITOS INIMIGOS E ORIENTAR ESTE PROFESSOR APÁTRIDA, QUE DEVE TER O MESMO ESTADO DE ESPÍRITO DO JUIZ MORO.  ESTE GENERAL MARCOU MUITO A MINHA CONDUTA, E NÃO É UM PAPEL ESCRITO, QUE NÃO MERECE CREDIBILIDADE, QUE VAI DISTORCER A IMAGEM DESTE GRANDE GENERAL BRASILEIRO, QUE PROMOVEU A QUEDA DA REVOLUÇÃO - 64, CONHECIDA DE DITADURA MILITAR. COMPARANDO COISAS RUINS - DITADURAS, A QUE VIVEMOS HOJE QUE É UMA DITADURA JUDICIAL, QUE É MIL VEZES PIOR QUE A MILITAR. A AMÉRICA POR SUAS ATITUDES RECENTES TEM PROVOCADO SUA QUEDA NA CREDIBILIDADE VEJAM O QUE DISSE ANGELA MERKEL, NO CASO DO IRÃ. https://brasil.elpais.com/brasil/2018/05/10/internacional/1525976998_891049.html?id_externo_rsoc=FB_BR_CM

 PRIMEIRAMENTE OS MILITARES CANDIDATOS VÃO PERDER SEU TEMPO, POIS COMO DIZ O CABOCLO AQUI NO INTERIOR - "QUE NÃO ADIANTA TROCAR OS PORCOS(90% DOS POLÍTICOS) SE O CHIQUEIRO (REGIME POLÍTICO) PERMANECER O MESMO" . ELES VÃO TRABALHAR IGUAL AO BOSSONARO QUE DURANTE MUITOS ANOS NO CONGRESSO NÃO TEVE NENHUMA PROPOSTA SUGERIDA OU APROVADA COMO LEI. NEM A ESQUERA E NEM A DIRETA TÊM MEDO DESTES MILITARES NO CONGRESO. ELES TÊM QUE TOMAR CUIDADO PARA NÃO SEREM CORROMPIDOS. MILITAR FOI FORMADO PARA GUERRIAR - MATAR - O BOM POLÍTICO FOI GERADO PARA SABER NEGOCIAR (NÃO $) OS INTERESSES DO POVO E DA ELITE. AGORA COM RELAÇÃO AO DOCUMENTO DA CIA, SEGUE MEU PONTO DE VISTA: 

TUDO É POSSÍVEL SER FORJADO! 
ESTAMOS NA ÉPOCA DAS ELEIÇÕES. VALE TUDO! AS MENTIRAS IMPERAM NESTA ÉPOCA. ESTE PROFESSOR PESQUISADOR É DA FGV - A FGV REPRESENTA OS INTERESSES DOS USA ATRAVÉS DO CFR - MAS INFELIZMENTE OS MILITARES BRASILEIROS RESPONSÁVEIS PELO GOLPE DE 1964 ESCUTAVAM MUITO A CIA. ATÉ HOJE ESCUTAM MUITO. TIVERAM O TROCO AGORA! . O DESEJO É DESMORALIZAR O EXERCITO BRASILEIRO PERANTE A OPINIÃO PÚBLICA, DE FORMA TAL QUE DESMONTE A CANDIDATURA DE JAIR BOLSONARO, O QUE É VÁLIDO, MAS NÃO É COM ISSO, QUE SEJA VERDADEIRA A CONDUTA DITA NEFASTA DO PRESIDENTE GEISEL. . NÃO DÁ PARA ENTENDER QUE SENDO A CIA QUE MAIS FAZ E FEZ FOI TORTURAR E MATAR OS DITOS INIMIGOS E ORIENTAR ESTE PROFESSOR APÁTRIDA, QUE DEVE TER O MESMO ESTADO DE ESPÍRITO DO JUIZ MORO. . ESTE GENERAL MARCOU MUITO A MINHA CONDUTA, E NÃO É UM PAPEL ESCRITO, QUE NÃO MERECE CREDIBILIDADE, QUE VAI DISTORCER A IMAGEM DESTE GRANDE GENERAL BRASILEIRO, QUE PROMOVEU A QUEDA DA REVOLUÇÃO - 64, CONHECIDA DE DITADURA MILITAR. COMPARANDO COISAS RUINS - DITADURAS, A QUE VIVEMOS HOJE QUE É UMA DITADURA JUDICIAL, QUE É MIL VEZES PIOR QUE A MILITAR. A AMÉRICA POR SUAS ATITUDES RECENTES TEM PROVOCADO SUA QUEDA NA CREDIBILIDADE VEJAM O QUE DISSE ANGELA MERKEL, NO CASO DO IRÃ
  https://brasil.elpais.com/brasil/2018/05/10/internacional/1525976998_891049.html?id_externo_rsoc=FB_BR_CM
 ESTA REUNÃO ENVOLVENDO O ALTO COMANDO DO EXÉRCITO QUE TRATA DOS ADJUNTOS DE COMANDO, ONDE ESTÃO DANDO ENFASE A “VALORIZAÇÃO DO MÉRITO” , VEIO DAR FORÇAS AS MINHAS PROPOSIÇÕES, ONDE O EXÉRCITO PASSA A ENXERGAR SUAS ATIVIDADES DE DIREITO SUBORDINADO AS SUA AÇÕES DE DEVERES; FAZENDO SURGIR A NOÇÃO DO MÉRITO – CAPACIDADE, COMPETÊNCIA E ALTRUÍSMO – ACOPLADO À LIDERANÇA, AO PATRIOTISMO, AO NACIONALISMO E A SOBERANIA NACIONAL; COMO FATORES DE PROMOÇÃO NA CARREIRA MILITAR. COM A IDEIA DE "EXÉRCITO CIDADÃO" - 
http://societocratic-political-regime.blogspot.com.br/2016/12/exercito-cidadao.html
FOI NA PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLIA QUE BEIJAMIN CONSTANT, QUANDO PROPOZ À FLORIANO PEIXOTO UMA NOVA IDEIA DE REGIME POLÍTICO, O SOCIOCRÁTICO REPUBLICANO, EM 1889, ALTERADO POR RUI BARBOSA(ADVOGADO DOS OLIGARCAS); E COM SUA MORTE EM 1891, CONTRARIANDO O SALUTAR GOLPE DE ESTADO REALIZADO, DISTORCEU NA CALADA DA NOITE, PARA O REGIME DEMOCRÁTICO, GERADOR DESTE CAOS EM QUE VIVEMOS. 
PARA MODERNIZAR ESTA IDEIA CIENTÍFICA COM BASE NAS CIÊNCIAS MORAL POSITIVA E SOCIOLOGIA POSITIVA, PROPONHO O REGIME SOCIETOCRÁTICO REPUBLICANO; CAPITALISTA POLICIADO, COM MÍDIA LIVRE.ANALISEM COM CARINHO ESTA NOVIDADE. "NÃO ADIANTA TROCAR OS PORCOS(90% DOS POLÍTICOS) SE O CHIQUEIRO(REGIME POLÍTICO) PERMANECER O MESMO. NÃO PÓDEMOS ESQUECER DE PRIMEIRAMENTE ATACAR A MUDANÇA ESTRUTURAL E COJUNTURAL DO JUDICIÁRIO. LEIAM COM ATENÇÃO: http://palacazgrandesartigos.blogspot.com.br/2018/02/apresentacao-da-sccbesme-humanidade.html. . PARA A AÇÃO :
 http://societocratic-political-regime.blogspot.com.br/2017/09/intervencao-ja-set-2017-com-comentarios.html

NO MUNDO DE MEDÍOCRES TRAIDORES

Prólogo

O tema é grave. Não comporta maniqueísmos: bom ou mau, certo ou errado. 

Ninguém, salvo psicopatas – pessoas que precisam de tratamento mental mais do que punições penais – pode defender tortura e assassinatos frios. Mas a história é cheia destes casos, nem sempre por doentes. Sem pretender esgotar: cruzados, inquisidores, assassinos de infiéis, inimigos ideológicos, lideranças nacionalistas....

 Importa entender cada momento, cada ocorrência, cada consequência.

 Um momento de grande efervescência e de incríveis violências foi a Revolução Francesa, também histórico de libertação humana. Há um livro de Charles Dickens, notável como toda obra, que trata desta época, na França e na Inglaterra, “Um conto de duas cidades”, de onde transcrevo o texto que encerra este Prólogo:

“Um tribunal revolucionário na capital, e quarenta ou cinquenta mil comitês revolucionários em todo país; uma lei de Suspeitosos, que, agredindo a segurança de liberdade e de vida, confiava qualquer pessoa inocente e boa às mãos de qualquer outra culpada e perversa; as prisões transbordavam de pessoas que não haviam praticado nenhum crime e não tinham direito de defesa”. (Tradução de Sandra Luzia Couto)"

Não farei o escândalo do Jornal Nacional, que recentemente anunciou o bombardeio a civis sírios, pelos Estados Unidos da América (EUA), apoiados pela França e Inglaterra, como o início da Terceira Guerra Mundial.

Muito tristes e condenáveis aquelas mortes de inocentes, principalmente pela atitude de submissão de Donald Trump aos interesses do sistema financeiro internacional, o verdadeiro controlador das armas, do petróleo e de boa parte das instituições estadunidenses.

Mas a notícia que correu as redes sociais foi surpreendente.

 Transcrevo-a do Monitor Mercantil, pela objetividade e correção jornalística, em 11 de maio de 2018, sexta-feira:

“Documentos do Departamento de Relações Exteriores dos Estados Unidos apontam o envolvimento direto dos presidentes Emílio Garrastazu Médici, Ernesto Geisel e João Baptista Figueiredo no assassinato de mais de uma centena de brasileiros durante a ditadura militar no Brasil”.

Adiante a revelação é atribuída a professor que, no facebook, apresenta um relato da CIA (Agência Central de Informações, dos EUA) sobre reunião ocorrida em março de 1974 entre os dois últimos presidentes citados com os Generais Milton Tavares de Souza e Confúcio Danton de Paula Avelino.

Não tenho e jamais aceitaria procuração de qualquer político ou dirigente público para defendê-lo. Mas creio que a inteligência de meus leitores exige algumas outras informações e dados para a reflexão.

Primeiro o contexto desta notícia, vinculada por professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em rede virtual.

O Brasil, lamentavelmente, vive o pior momento de sua história republicana.

 Nem os confrontos integralistas, comunistas, ruralistas, nos anos da Revolução de 1930, viu tanta estupidez, tamanha selvageria, até pela incomensurável distância intelectual que separa, para ficar apenas num extremo político, Plínio Salgado, Gustavo Barroso, Gustavo Corção, Alceu de Amoroso Lima, Francisco Pontes de Miranda; dos atuais Silas Malafaia, Jair Bolsonaro, Cármen Lúcia, Marcos Feliciano, Aécio Neves, Roberto Barroso e o acadêmico Merval Pereira, por exemplo.

Líderes medíocres, soluções medíocres.

Mas não paro neste confronto.

Há, além do absoluto desinteresse com os assuntos brasileiros, com a soberania nacional, com a proteção da população (saúde, segurança, educação), o que poderia chamar perversidade de um governo imposto pelo estrangeiro, simplesmente para aumentar os ganhos do sistema financeiro, que abrevio “banca”.

Recebo uma informação que dois ex-empregados da Petrobrás, não suportando os descontos, agora aumentados pela incúria dos gerentes e dirigentes da Fundação de Seguridade Social, se suicidaram. Esta cobrança pretende suprir  as perdas com as incompetências e as corrupções dos responsáveis pela Petros, em princípio, desde 1990.

Esta notícia que envolve, em especial, o Presidente Geisel, alvo do primeiro  golpe da banca, é bastante estranha.

Iniciemos com o pesado ambiente político atual. 

Os golpistas de 2016 não tinham qualquer programa de governo; buscavam escapar de indiciamentos criminais e auferir mais vantagens indevidas, principalmente beneficiando os interesses estrangeiros.

Assim, tudo que se fez e faz, no executivo, no legislativo e, em especial, no judiciário é a disputa pelo saque, a luta pelos butins. Mesmo com toda proteção que recebem dos canais de televisão, regiamente pagos, e das emissões radiofônicas, está no bolso dos contribuintes, na mesa das vítimas, nos suicídios cuja informação que me chegou, o alerta à população, que reduz, dia a dia, qualquer veleidade de permanência destes golpistas no governo.

Militares, em notas e informações públicas, propõem a extinção do Supremo Tribunal Federal, amesquinhado, ínfimo pelo desrespeito dos próprios membros entre si e da ignorância de princípios e fundamentos sociais e jurídicos. Saudades do mestre Hermes Lima.

Em excelente descrição, o jornalista pernambucano Urariano Mota, assim narra os momentos que antecederam a pré-estreia de “O Processo”, premiado documentário sobre o golpe do impeachment:

“A agitação no público era tamanha, que gritos se ouviam até mesmo quando as luzes no cinema se apagaram. Quanta rebeldia reprimida. As vozes somente pararam quando alguém gritou: “quem fizer barulho é golpista!”.” E conclui Urariano: “a diretora falou em entrevista: “Nós não sabemos para onde isso vai, e isso é angustiante e doloroso... Essa é a minha contribuição para esse momento que estamos vivendo”. Sem dúvida. O documentário de Maria Augusta Ramos realiza o seu presente deste infeliz momento”. (GGN Jornal, 11/05/2018).

Também, em outra vertente, os militares se inquietam. Não somente os de pijama, bombardeados durante todo dia pela telinha, com as desinformações, falsidades e criminosas omissões da Globo ou da Bandeirante ou melhor de todas. 

Os que tem responsabilidade de comandar uma força sem força, de enfrentar um inimigo muito mais preparado e rico nas fronteiras brasileiras e  restar perplexo diante da realidade que não encontra explicação nas notícias, nos manuais, nos treinamentos.

Sem dúvida, não só a CIA, que o professor se refere como fonte, mas todo arsenal de informações, espionagem, contrainformação que a banca tem disponível nos EUA, na França, na Inglaterra, já identificaram “perigo” no País dos ganhos fáceis do Pré-sal, do nióbio, do lítio, dos grandes aquíferos.

Então usa a velha cizânia. 

O clamor da união pelo Brasil começa a unir mais do que as esquerdas, já interessa empresários, passará a ser discutida nas classes médias e, porque Deus é brasileiro, pode se transformar, ao fim de mais de 500 anos, no efetivo movimento de Independência do Brasil.

Repito a meus diletos leitores: a banca busca tomar o controle dos Estados Nacionais para os destruir. E, também, os agride, como são exemplos a Líbia, o Iraque, a Ucrânia, o Afeganistão, a Venezuela e a Síria. 

Um mundo dirigido pelo sistema financeiro não quer Estados nacionais, quer milícias regionais, sem capacidade para estabelecer normas ou orientações que não sejam para defesa patrimonial da banca.

A eleição que se aproxima e parece, a cada momento, ser inexorável, não pode unir vertentes ideológicas, religiosas, empresariais e militares num projeto nacional sem que a banca saia derrotada. 

Manter os golpistas, seus asseclas do PSDB, do DEM, do PPS et caterva torna-se impossível. 

Então entra (se não for mais uma fake new, ou o será da própria CIA?) uma notícia que acirrará os ânimos, dividirá ainda mais para reinar.

Concluindo. 

Não sei se houve ou não a reunião que os interesses estrangeiros resolveram divulgar neste momento, que o caos golpista se mostra incapaz de encontrar solução que os salve.

 Geisel era um luterano, religioso, pouco dado a confidências e a se expor a terceiros. 

Teve um governo nacionalista que desgostou muito os EUA.

 Figueiredo não era propriamente seu amigo, tanto que o golpe da banca o levou a sucedê-lo.

 Pergunto: 

   desde quando informação da CIA é de confiança? 

E quem é este senhor que colocou o assunto nas redes sociais?

Poderia dizer, como em romances: estranho, muito estranho.

Pedro Augusto Pinho, avô, administrador aposentado pedroaugustopinho@hotmail.com